domingo, março 28, 2010

Free Frenesi




Quando toca suspiro olho tremo pêlos desmancho em dedos Torno a você jazz em notas raras o mesmo infinito Todo sem partes em duas repartidas. Vi cheiro em suas palavras e ruídos de entre-ares, toquei em seus vazios e comi seus não-lugares. No fim pintei um quadro tinta verde suja blues você todo amarelo sendo eu enquanto nu.

3 comentários:

lepapillon disse...

vc tem q aprender a usar pontos, menina!!

Lidia M. disse...

são versos livres e coloridos!

paula; disse...

Vou com a Lidia, ainda que, por vezes, sejam versos sombreados.

Aceito o ponto final, ele surge quando surge, e, se aparece uma vírgula, ponto-e-vírgula; a história prossegue.