terça-feira, agosto 04, 2009

Ser e estar-sendo



E se, de repente, eu fizesse teatro? E se, de repente, eu desistisse da vida acadêmica, começasse a escrever loucamente? E se, de repente, eu olhasse diferente para o que eu queria antes de tudo e voltasse a achar ter certeza de alguma coisa? E, se, de repente, eu trocasse minhas dúvidas velhas por outras mais que novas, brilhantes e mais verdes? Seria, certamente, um novo medo. Não que a novidade importe tanto... vale é não perder de vista o conjugar dos verbos.

Um comentário:

Sr. Personna disse...

Mas tudo nao acontece em um só repente...
Mas quem dera.